terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Portal Atlantis está de volta!

Portal Atlantis está de volta para lhes trazer notícias e novidades de uma forma inovadora. Aguardem!

domingo, 28 de julho de 2013

A teoria de viagem no tempo sobre o incidente em Roswell

Viagem no tempo
Nick Redfern, do site mysteriousuniverse.org, escreveu:
Foi há pouco mais de uma semana após o famoso avistamento de OVNIs por Kenneth Arnold, em 24 de junho de 1947, no Monte Rainier, estado de Washington – EUA, que um veículo aéreo altamente anormal caiu na Terra em uma fazenda remota do Condado de Lincoln, estado do Novo México – EUA, não muito longe da cidade de Roswell.
Este evento altamente controverso tem sido o assunto de dezenas de livros, estudos governamentais oficiais, documentários de TV, filmes e considerável interesse pela imprensa e pelo público em geral.
O estranho evento abriu portas para uma montanha de teorias para sua explicação, inclusive a de que tenha sido: um balão meteorológico, um ‘Balão Mogul’ que seria secretamente utilizado para monitorar testes de bombas atômicas soviéticas, uma espaçonave alienígena, algum experimento obscuro de exposição às grandes altitudes, um teste atômico mal sucedido, um acidente com um foguete nazista que levava macacos como tripulantes, e um acidente envolvendo uma aeronave do tipo ‘asa voadora’, construída e transplantada por cientistas alemães que haviam se realocado nos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial.
Não é segredo que eu esteja cético a respeito disso ter sido causado por alienígenas que encontraram sua morte no deserto naquele ido dia de julho de 1947.  E eu considero que se um dia a história verdadeira do que realmente aconteceu em Roswell fosse exposta, provavelmente seria uma de experimento militar secreto nascido da Guerra Fria.  Mas eu posso estar redondamente enganado nas minhas suspeitas.
Mantendo-se em mente o parágrafo acima, e se o evento de Roswell pudesse ser explicado de forma muito diferente e extremamente alternativa?  E se a estranha nave e sua estranha tripulação não fossem os moradores de outra galáxia, ou mesmo de algum projeto militar secreto pós guerra?  E se, incrivelmente, seu ponto de origem fosse num futuro distante de uma natureza distintamente humana?
Enquanto tal cenário possa parecer extremamente incrível para muitos – mesmo para aqueles que possuem a opinião de que algo realmente anômalo ocorreu no Condado de Lincoln naquela época – tais teorias têm sido expressadas e endossadas também.  Um daqueles que revelou seus pensamentos sobre este cenário em particular foi o Tenente Coronel Philip Corso, co-autor com William Birnes do enormemente debatido livro de 1997, The Day after Roswell (O Dia Após Roswell – trad. livre n3m3).
A sensacional história de Corso, que foi profundamente questionada e criticada, alega seu conhecimento pessoal do incidente de Roswell, enquanto prestava serviço militar e de forma que alegadamente ajudou a avançar os Estados Unidos – tanto cientificamente, quanto militarmente, pelo fato de secretamente introduzir tecnologias fantásticas encontradas na espaçonave de Roswell para as indústrias privadas e empreiteiras de defesa dos EUA.
Apesar de muitos terem defendido Corso como um sólido proponente da ideia de que extraterrestres despencaram até o solo terrestre no Novo México em 1947, na verdade, Corso estava disposto a considerar algo muito diferente disso.
Os corpos anormais encontrados nos destroços da nave, disse Corso, eram seres geneticamente criados, projetados para aguentar os rigores do vôo espacial, mas não eram na verdade os criadores de sua própria nave.  Até a data de sua morte em 1998, Corso especulou quanto a distinta possibilidade de que o Governo dos EUA poderia ainda não ter nenhuma ideia real de quem construiu a nave, ou quem projetou geneticamente os corpos encontrados abordo ou ao redor dos destroços.
Corso colocou muita consideração na ideia de que o OVNI de Roswell era uma forma de máquina do tempo, até possivelmente construída por moradores da Terra em um futuro distante, ao invés de ter sido por pessoas de um sistema solar longínquo.
Mas se torna vital que eu deixe claro que a história de Corso tem sido causa de grande debate.  Seu relato a respeito de Roswell tem sido tanto defendido, quanto atacado.  Outros parecem inseguros de como encarar isso.  Mas, infelizmente, para aqueles que estão tentando fazer sentido da situação, a ovniologia é assim quando se refere a assuntos de natureza altamente volátil.  Nunca conseguimos uma história definitiva. Sempre acaba em… … uma “área cinza”.
Se a história mostrar que não há nada na versão de Philip Corso, então que seja.  Mas se houver ao menos uma pequena parcela de verdade em sua versão, então aqui está algo que deveríamos considerar: Talvez, através do estudo de materiais de Rosvell, a ‘oficialidade’ descobriu algo profundamente perturbador e terrível sobre o nosso futuro; algo que ela nunca ousará compartilhar conosco, o povo.
Seria esta, talvez, a razão porque o caso de Roswell ainda esteja rodeado de segredos após mais de 60 anos?  Para parafrasear a série Os Arquivos-X, quando se trata de OVNIs e Roswell, “a verdade” pode não estar “lá fora”.  Ao invés disso, poderá estar a incontáveis milênios à nossa frente…
- Nick Redfern

Fonte e todos os créditos a: ovnihoje.com 

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Por que estariam construindo uma pirâmide na Área 51?



Uma gigantesca pirâmide está sendo construída na Área 51 como mostra no vídeo proveniente do Canal DAHBOO77

Por que estão construindo uma gigantesca pirâmide com estruturas na Área 51? Seria a tão falada tecnologia alien? Ou seria uma nova tecnologia humana ainda não revelada?

Uma foto no Google Earth abaixo neste vídeo mostra que esta pirâmide tem aparecido, pelo menos, desde 2007!




Imprensa Chilena alega que que NASA oculta fotos de naves Extraterrestres

Aparentemente a mídia corporativa está se dando conta da forma com que a NASA trata o assunto ‘vida extraterrestre’.
O portal Terra chileno, reportou aquilo que já sabíamos, mas que a ‘imprensa convencional’ nunca ousou falar: uma série de imagens desapareceram dos arquivos da NASA, numa das quais podia ser visto uma nave com tecnologia avançada.
De acordo com o Publimetro, outro veículo de imprensa chileno, diversos meios de comunicação informaram que a instituição criada pelo governo dos EUA para o desenvolvimento de seu programa espacial, chegou a borrar imagens extraterrestres
Como sabemos, muitos estudiosos do fenômeno dos OVNIs já haviam percebido as ações suspeitosas da NASA, principalmente no que diz respeito rasuração de imagens e dados dos arquivos da agência.
Segundo algumas organizações, este fato reforça a suspeita de que existem agências que querem ocultar as informações sobre a existência de vida extraterrestre.
Ainda de acordo com o artigo, os especialistas asseguram que em 2011 extraterrestres visitaram a Terra, e o Centro Espacial Johnson obteve uma imagem onde se vê uma nave espacial com tecnologia avançada.  Esta é uma das fotos que dizem ter desaparecido dos arquivos da NASA.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Poderia existir pirâmides na Antártida?






Nos últimos dias começou a ganhar voz, com força e insistência, a notícia da suposta descoberta de pirâmides na Antártida. Apesar de a informação não ter sido confirmada ou desmentida por nenhuma fontes oficial, muitos websites têm feito eco a esta possibilidade com a divulgação de algumas imagens que apontam para a veracidade desta versão. Pelas fotos, é possível observar estruturas piramidais no continente gelado, algumas delas obtidas pelo Programa Integrado de Perfuração Oceânica (Integrated Ocean Drilling Program), um projeto internacional de exploração submarina.
Várias hipóteses foram formuladas em torno destas imagens, como a de que a Antártida pode ter oferecido um clima favorável para o desenvolvimento de uma civilização há milhares de anos e que, agora, poderíamos começar a encontrar vestígios disso. Além disso, há também a especulação de que haveria existido o contato de seus habitantes com os de outros lugares do mundo antigo, como México, Egito, Indonésia, e demais localidades onde foram, recentemente, encontradas outras construções, como na Bósnia.
Ainda falta, certamente, uma confirmação deste feito na Antártida, o que seria uma revelação sem precedentes para o estudo da história da humanidade, mesmo que a afirmação deste fato pareça algo distante. De qualquer maneira, real ou não, isso coloca à vista o que poderia ser imaginado neste momento e confirma que o continente gelado da Terra é um dos lugares mais misteriosos do nosso planeta e que gera imensa curiosidade, assim como as pirâmides, cuja construção ainda é um dos mais poderosos enigmas da história.


Vírus gigante pode ter vindo de Marte

pandoravirus
Cientistas da Universidade Aix-Marseille, na França, descobriram um vírus gigante e tão incomum que eles acreditam se tratar de um vírus que veio de outro planeta, como Marte.
  O vírus, apelidado de Pandoravírus, tem até dez vezes o tamanho de outros vírus comuns, e 94% dos seus genes não se assemelha a nada já visto nos demais microrganismos na Terra.
Os pesquisadores franceses também disseram que embora inédito, e por isso desconhecido pela Ciência, o vírus gigante não representa um sério risco à saúde humana, pois só é encontrado debaixo d’água. No entanto, os pesquisadores, que publicaram suas descobertas na revista Science, acreditam que o vírus abre uma série de perguntas sobra à história da vida na Terra.
Dr. Jean-Michel Claverie, quem descobriu o vírus, disse: “Acreditamos que esses novos Pandoravírus surgiram a partir de um novo tipo de célula ancestral que já não existe mais”.
Um vírus comum mede aproximadamente de 10 nanômetros a 500 nanômetros, já o Pandoravírus mede cerca de mil nanômetros, sendo grande o suficiente para ser visto sob a lente de microscópios básicos.
Confundido, a princípio, com uma pequena bactéria, por ser grande e de formato irregular, a equipe obteve amostras de sedimentos da costa do Chile e de uma lagoa na Austrália. Elas foram levadas para o laboratório e colocaram em uma solução repleta de antibióticos, na tentativa de matar qualquer bactéria presente.
Estas amostras livres de bactérias foram expostas a amebas, levando em conta que se as amebas morressem, é porque ainda existia algo mais nas amostras que causou a morte destas. A experiência provou que as amostras continham grandes quantidades de Pandoravirus.
Quando a equipe estudou esse novo vírus encontrado, eles descobriram que seu código genético era duas vezes maior que o Megavírus, que era considerado, até então, o maior vírus já visto medindo cerca de 440nm.
Esse não foi o único choque da equipe de pesquisadores franceses. Ao constar o tamanho do vírus, eles também concluíram que apenas 6% de seus genes eram compatíveis com os genes de outros microrganismos comuns na Terra, o que leva a supor que a origem desse vírus possa ser de outro planeta, e alguns especulam que possam ter vindo de Marte.
Os pesquisadores ainda não sabem por que essa forma celular tornou-se um vírus, mas acredita-se que foi o único meio viável de garantir a sobrevivência.
Após a descoberta desse vírus gigante, os cientistas permanecem na expectativa de encontrar outros vírus parecidos com este.